top of page
Buscar
  • prcarne

Observações gerais do mercado suinícola

Jim Long, President-CEO, Genesus inc.


As reservas de carne suína nos EUA no final de maio eram de 525.000 libras, uma queda de 4% em relação ao ano anterior. É a primeira vez que temos uma queda nas reservas de carne suína em comparação com o ano anterior há vários meses. A produção semanal de carne suína nos EUA é de cerca de 500.000 libras. Reservas equivalentes a 1 semana de produção.


O abate de matrizes na última semana foi de 66.861 cabeças. Acreditamos que seja um claro sinal de liquidação contínua. Estimamos que qualquer número acima de 60.000 por semana seja um sinal claro de liquidação.


Em 1º de junho do ano passado, o inventário de matrizes nos EUA era de 6,168 milhões. Esperamos que em 1º de junho deste ano seja cerca de 100.000 cabeças menor.


Os pesos de suínos em Iowa e no sul de Minnesota continuam caindo. Há uma semana, o peso era de 278,5 libras, duas semanas antes era de 279,9 libras (-1,4 libras). Há um ano, era de 283,6 libras (-5,1 libras em relação ao ano anterior). Pesos mais baixos indicam que os produtores estão dispostos a vender e os frigoríficos estão prontos para comprar. Em 24 de abril, o preço em Iowa e no sul de Minnesota era de 67,44 centavos de dólar por libra. Em 21 de junho, foi de 96,97 centavos de dólar por libra. Um ganho de quase $60 por cabeça. Esperamos que os pesos mais baixos sejam um sinal positivo de que o preço do suíno possa continuar subindo à medida que os frigoríficos buscam suínos.


O preço do milho tem tido suas flutuações recentemente. O clima é o principal fator. Se fica seco, o preço do milho sobe. Se chove, cai, uma verdadeira montanha-russa. Duas realidades: as exportações de milho dos EUA estão 33% mais baixas em relação ao ano anterior. Existem lugares no Brasil com preços tão baixos quanto $4,32 o bushel, o que também limita o aumento do preço do milho nos EUA.


A liquidação continua na Alemanha. Westphalia, um dos maiores estados produtores de suínos, relatou que em maio seu rebanho de matrizes diminuiu em 3,4%, para 321.400 cabeças. Isso nos diz que, considerando o fornecimento futuro de suínos na Europa, ele ainda está em declínio, apesar dos preços recordes. O efeito geral de doenças, restrições de antibióticos, mão de obra, regulamentações ambientais, etc.


A Peste Suína Africana (PSA) ainda é um fator na China. Esta semana, ouvimos falar de um grande complexo de múltiplos andares afetado pela PSA. A PSA continua empurrando porcos para o mercado a partir de áreas afetadas, o que mantém os preços baixos. As perdas financeiras dos mega produtores chineses são significativas, com os valores de suas ações próximos das mínimas históricas. Estimamos que os produtores de suínos da China estejam perdendo $50 por cabeça multiplicado por 12 milhões de suínos (produção do país) por semana, resultando em uma perda de -$600 milhões por semana. Perdas como essa estão levando à liquidação.

Resumo


Na próxima semana, o USDA irá divulgar o relatório de suínos e leitões de 1º de junho. Esperamos ver números menores de matrizes e suínos. Vamos torcer para que seja um número baixo o suficiente para trazer algum otimismo ao mercado. Os preços são determinados pela oferta, demanda, otimismo ou falta dele.


Leia mais sobre esse assunto em https://www.suinoculturaindustrial.com.br/imprensa/observacoes-gerais-do-mercado-suinicola/20230626-160302-W292

© 2023. Todos direitos reservados a Gessulli Agribusiness. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.


Fonte: Suinocultura Industrial

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page