Buscar
  • prcarne

Boi, suíno e frango vivos em maio e nos cinco primeiros meses de 2021

Comparativamente ao que foi alcançado no mês passado, maio corrente foi pródigo, apenas, para com o frango vivo


Comparativamente ao que foi alcançado no mês passado, maio corrente foi pródigo, apenas, para com o frango vivo. Pois enquanto boi em pé e suíno vivo viram seus preços retrocederem em relação ao mês anterior (queda de 2,49% e de 9,22%, respectivamente, pelos resultados preliminares), o frango obteve valorização de quase 11% e, ao mesmo tempo, alcançou – nominalmente e em valores reais – a melhor cotação de todos os tempos. No mês, a valorização do frango foi superior, até, às obtidas pelo milho (+3,13%) e pelo farelo de soja (+1,90%).


Mas o ganho em relação às duas matérias-primas cessa aí. Pois na média dos cinco primeiros meses de 2021 a valorização do frango, de 50,64%, continua bem aquém da alcançada pelo milho e o farelo de soja, com acréscimos de, respectivamente, 70,82% e 76,72% sobre os mesmos cinco meses de 2020.


Porém, neste caso, quem mais saiu perdendo é o suíno. Pois, na média do ano, obteve valorização de apenas 36,42%, a metade da obtida pelas suas duas matérias-primas básicas. Já o boi em pé, igualmente dependente desses insumos, mas bem menos, fecha maio com valorização mensal (52,43%) ligeiramente superior à do frango vivo.


A comparação, por fim, entre maio corrente e maio de 2020 deixa a impressão de que o frango vivo obteve valorização excepcional, já que seu preço médio no mês ficou 76,35% acima do registrado há um ano, bem mais que os 55,02% e 47,98% obtidos pelo boi em pé e pelo suíno vivo. Aqui, porém, é fundamental ressaltar que não houve ganho: o preço de um ano atrás é que estava baixo. Aliás, um dos menores da década passada.


Idêntico raciocínio se aplica ao farelo de soja – mas agora, de forma inversa. Seu preço médio, em maio corrente, é “apenas” 47% superior ao de um ano atrás. Mas isso só ocorre porque há um ano o farelo de soja já estava caro. Tanto que a média atual se encontra 120% acima da registrada em maio de 2019.


Nada, porém, se compara ao aumento de preço registrado pelo milho, a despeito das reduções mais recentes. Em um ano, valorização de 95%. Em dois anos, praticamente 180%.


Fonte: AVISITE

0 visualização0 comentário