Buscar
  • prcarne

Mizorão, na Índia, proíbe importação de suínos e produtos suínos em meio a surto de PSA

O Departamento de Pecuária e Veterinária garantirá a desinfecção obrigatória das instalações de criação de suínos e aplicará medidas rigorosas de higiene e isolamento de porcos suspeitos


O governo de Mizoram proibiu a importação de suínos e produtos suínos depois que novos casos de Peste Suína Africana (PSA) foram detectados no estado, conforme notificação oficial. Haverá uma proibição completa da importação de suínos vivos, carne suína fresca e todos os outros produtos suínos, incluindo carne suína congelada, de outros estados e outros países até novas ordens, disse a notificação emitida no sábado.


O Departamento de Pecuária e Veterinária garantirá a desinfecção obrigatória das instalações de criação de porcos e aplicará medidas rigorosas de higiene e isolamento de porcos suspeitos, disse.


O departamento também garantirá a eliminação segura da carcaça de suínos de acordo com o Plano de Ação Nacional para Controle, Contenção e Erradicação da Peste Suína Africana, acrescentou.


O estado suspendeu em 1º de fevereiro a proibição à importação de suínos e produtos suínos, 17 meses após a imposição em agosto de 2020, pois o surto de PSA foi contido sem casos relatados desde dezembro do ano passado.


Na última onda, foram relatadas 384 mortes de porcos. As últimas mortes foram relatadas em cinco distritos, de acordo com as autoridades.


A PSA matou 33.417 suínos entre março e novembro do ano passado, causando perdas de Rs 60,82 crore. Um total de 10.910 suínos foram abatidos no ano passado para evitar a propagação da doença.


Leia mais sobre esse assunto em https://www.suinoculturaindustrial.com.br/imprensa/mizorao-na-india-proibe-importacao-de-suinos-e-produtos-suinos-em-meio-a-surto/20220404-085709-F751

© 2022. Todos direitos reservados a Gessulli Agribusiness. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.


Fonte: Suinocultura Industrial - com informações de The Economic Times

0 visualização0 comentário