Buscar
  • prcarne

FAO: Produção de carne suína na China deve exceder os volumes pré-PSA

As exportações globais de carne suína estão previstas em 12,2 milhões de toneladas em 2022, uma queda de 4,0% em relação a 2021. A queda é impulsionada principalmente pelas importações mais baixas previstas pela China, Vietnã e Chile


De acordo com o Relatório “Food Outlook” divulgado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, após um crescimento de 11,5% em 2021, a produção global de carne suína deve crescer 2,5% em 2022, para 125,6 milhões de toneladas. É provável que a expansão se concentre na Ásia, mas aumentos moderados também são prováveis na América do Sul, América Central e Caribe.


Por outro lado, as contrações da produção são previstas na Europa e na América do Norte. O maior ganho de volume é esperado na China, com ligeiros aumentos previstos no Vietnã, Brasil e México, parcialmente compensados por quedas substanciais previstas na União Europeia, Tailândia, Estados Unidos, Ucrânia e Canadá.


Segundo a Organização a produção de carne suína na China deve expandir em quase 8 por cento para 58 milhões de toneladas, superando níveis de produção antes dos surtos generalizados de Peste Suína Africana. O relatório prevê que apesar dos surtos esporádicos, o crescimento nominal da produção é provável no Vietnã, facilitado pelo aumento dos estoques de suínos, após anos de esforço para controlar a PSA.


O relatório também aponta que a alta demanda interna e externa sustenta a expansão da produção no Brasil, apesar dos elevados custos de produção, que impactaram negativamente as margens operacionais de muitas fazendas.


O aumento da demanda de importação e o crescimento do consumo interno, impulsionado pelo crescimento populacional e pela maior acessibilidade da carne suína, ajudaram o México a aumentar sua produção de carne suína, complementada pelo desenvolvimento da cadeia de suprimentos com os Estados Unidos.


Por outro lado, a organização aponta que os apertos de margem devido aos altos preços das rações levaram ao abate de suínos mais jovens na União Europeia, resultando em menor peso de carcaça e produção. Os surtos de PSA na Tailândia fizeram com que os estoques de suínos diminuíssem e os preços ao produtor caíssem, tornando as perspectivas de produção negativas. Nos Estados Unidos, os baixos estoques iniciais de suínos e a provável redução nos partos em meio aos altos preços das rações podem levar a uma oferta mais apertada de suínos no restante do ano, possivelmente reduzindo a produção anual geral.


Os dados também apontam que a produção de carne suína na Ucrânia deve cair no mínimo 19% com base nas informações disponíveis sobre a extensão dos danos à infraestrutura agrícola, escassez de mão de obra e falta de serviços devido à guerra. A produção do Canadá provavelmente diminuirá devido a uma possível redução no peso da carcaça, apesar de um aumento moderado no número de abates.

Aumento na produção deve diminuir importações


Fonte: FAO - Food Outlook


A FAO estima que as exportações globais de carne suína estão previstas em 12,2 milhões de toneladas em 2022, uma queda de 4,0% em relação a 2021. A queda é impulsionada principalmente pelas importações mais baixas previstas pela China, Vietnã e Chile, mas é parcialmente compensada por compras mais altas pelos Estados Unidos e Reino Unido, República da Coreia, México, Japão, República Dominicana, União Europeia e Filipinas.


Outro ponto destacado no relatório é que a oferta doméstica abundante e os baixos preços domésticos dificultam a concorrência da carne suína importada com os produtos locais, reduzindo as compras de importação pela China. No Vietnã, o provável crescimento da produção doméstica em meio à demanda moderada pode desencorajar as importações, embora as importações anuais totais de carne suína em 2022 ainda possam estar próximas de 220.000 toneladas. Devido ao aumento da produção local, o Chile as importações podem cair cerca de 9%.


Segundo a organização, apoiados pela crescente demanda do consumidor e um provável declínio na produção doméstica, os Estados Unidos devem importar mais carne suína em 2022, principalmente do Canadá, União Europeia e México. Entretanto, prevê-se um aumento das importações de carne de suíno para a República da Coreia devido ao aumento da procura do setor de serviços de alimentação, e para o Reino Unido devido à diminuição da produção nacional. Impulsionado pelo crescimento populacional, acessibilidade e um cardápio de vários produtos que os restaurantes costumam oferecer, o consumo de carne suína está aumentando no México, estimulando ainda mais as importações, especialmente dos Estados Unidos. Da mesma forma, o Japão pode importar mais carne suína, devido ao ressurgimento das vendas de serviços de alimentação e aos altos preços da carne bovina. As importações de carne suína pela República Dominicana também podem aumentar devido ao impacto dos recentes surtos de PSA na produção nacional. Prevê-se que as importações das Filipinas aumentem cerca de 3%, para 341.000 toneladas, dada a recuperação mais lenta do que o previsto do rebanho suíno doméstico do vírus da PSA.


No que diz respeito às exportações, o relatório antecipa contrações significativas para a União Europeia, Estados Unidos, Federação Russa, Canadá e Tailândia. As exportações da União Europeia para alguns dos principais destinos asiáticos estão previstas para baixo devido ao não reconhecimento de controles oficiais e erradicação de doenças animais nas regiões (zonas) afetadas ao impor controles de importação, exceto pelo reconhecimento de zoneamento da China na França. A oferta doméstica restrita e os preços altos provavelmente limitarão as exportações de carne suína dos Estados Unidos. As exportações da Federação Russa provavelmente cairão, dadas as recuperações de produção em alguns dos maiores destinos de exportação, como o Vietnã, e possíveis desafios logísticos. Leia mais sobre esse assunto em https://www.suinoculturaindustrial.com.br/imprensa/fao-producao-de-carne-suina-na-china-deve-exceder-os-volumes-pre-psa/20220609-085402-O141 © 2022. Todos direitos reservados a Gessulli Agribusiness. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.


Fonte: Suinocultura Industrial

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo