Buscar
  • prcarne

Exportações de carne bovina batem recorde em setembro

As negociações de proteína vermelha para o exterior somaram 218.529 toneladas em setembro. Este montante supera o do mesmo mês de 2020, que foram de 166.366 toneladas. Além disso, as exportações bateram o recorde de agosto/2021, com suas 211.833 toneladas.


Receitas


O crescimento de 31% no volume e de 79% na arrecadação de divisas, resultou no novo recorde das exportações totais de carne bovina (somadas in natura e processadas) em setembro. As receitas do mês subiram a US$ 1,198 bilhão. Representando uma alta de 79% sobre os US$ 668,6 milhões de 2020. Também superou o recorde de agosto deste ano, de US$ 1,175 bilhão.


No acumulado do ano, as exportações totais tiveram incremento de 2,84% sobre o mesmo período de 2020. Ou seja, chegaram a 1.502.134 toneladas contra 1.460.640 até setembro de 2020. Nas receitas, o resultado subiu 22%: de US$ 6,109 bilhões em 2020 passou a US$ 7,467 bilhões em 2021. As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), com dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex/Decex), do Ministério da Economia.


Compradores


A China comprou 60,2% das exportações da carne bovina brasileira. Até setembro deste ano, adquiriu 889.238 toneladas contra 839.077 no mesmo período de 2021.


Na segunda posição estão os Estados Unidos. Suas importações até setembro aumentaram de 40.602 toneladas em 2020 para 82.352 toneladas em 2021 (+ 102,8%). Em seguida está o Chile que, em 2020, comprou 60.074 toneladas e, neste ano, movimentou 74.543 toneladas (+ 24,1%).


Entretanto, ocupante do quarto lugar, o Egito, reduziu em 53,2% suas aquisições: de 101.416 toneladas em 2020 caiu para 47.459 toneladas. Já as Filipinas, com crescimento de 30,5% nas importações, ficou na quinta posição, saindo de 29.813 toneladas de 2020 para 38.903 toneladas neste ano.


O sexto colocado foram os Emirados Árabes que compraram 33.947 toneladas em 2021 (+ 14,1%) contra 29.741 toneladas no mesmo período de 2020. No total, 90 países elevaram suas importações até setembro deste ano, e 74 reduziram.


Fonte: A Granja Total Agro - por CARLA SANTOS

0 visualização0 comentário