top of page
Buscar
  • prcarne

CLIPPING DO SINDICARNE Nº 244 DE 28 DE OUTUBRO DE 2022


Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do Paraná

Ano 2 | nº 244 |28 de outubro de 2022


NOTÍCIAS SETORIAIS – BRASIL


BOVINOS


Arroba continua sob pressão

A última semana de outubro seguiu marcada por novas quedas dos preços no mercado do boi gordo em São Paulo e em boa parte das praças pecuárias, informou o zootecnista Felipe Fabbri, analista da Scot Consultoria


“A pressão na negociação da carne bovina enviada à China, maior consumidor da proteína brasileira, tirou o ímpeto comprador das indústrias, que têm trabalhado com ajustes de escalas e redução nos abates”, relata Fabbri. O boi destinado ao mercado interno na praça paulista caiu R$ 5/@ ao longo desta semana, negociado a R$ 275/@, de acordo com a Scot. Para o “boi-China”, os negócios têm operado em torno de R$ 280/@ no mercado paulista. “O preço do bovino destinado à China está pressionado e, em algumas unidades frigoríficas, já não existe o ágio com o bovino de mercado interno”, informa Fabbri, que acrescenta: “Isso se deve ao endurecimento chinês nas tratativas comerciais”. Do lado da demanda por carne, diz o analista da Scot, apesar da China seguir “dura na queda” com relação às negociações da carne destinada ao País, as exportações vão bem. Com uma demanda enfraquecida pelo avanço da segunda quinzena, as vendas de carne bovina para o mercado interno seguem frias e os preços no atacado e varejo caíram ao longo desta semana, informa a Scot. “Em curto prazo, o preço do boi deve seguir lateralizado, sem descartar novos recuos, deixando no retrovisor os R$ 300/@ pago ao pecuarista em um passado recente”, observa Fabbri. Na quinta-feira, 27 de outubro, a arroba do boi gordo paulista registrou estabilidade. “Além das indústrias frigoríficas manterem condições confortáveis quanto a programação de animais em suas escalas de abate, não há sinais, no curtíssimo prazo, de recuperação diante da maior entrada de lotes do segundo giro de confinamento”, ressalta a IHS. Na B3, os contratos com vencimento em outubro/22, novembro/22 e dezembro/22 estão operando abaixo dos R$ 290/@, com destaque para o vencimento de novembro/22, que, que na quinta-feira, operava abaixo de R$ 280/@. No mercado atacadista, diz a IHS, os preços dos principais cortes da carne bovina permanecem inalterados. Cotações: PR-Maringá: boi a R$ 289/@ (à vista) vaca a R$ 260/@ (à vista); SP-Noroeste: boi a R$ 280/@ (prazo) vaca a R$ 266/@ (prazo); MS-C. Grande: boi a R$ 263/@ (prazo) vaca a R$ 251/@ (prazo); MS-Três Lagoas: boi a R$ 261/@ (prazo) vaca a R$ 243/@ (prazo); MT-Cáceres: oi a R$ 243/@ (prazo); vaca a R$ 233/@ (prazo); MT-B. Garças: boi a R$ 242/@ (prazo) vaca a R$ 232/@ (prazo); MT-Cuiabá: boi a R$ 246/@ (à vista) vaca a R$ 236/@ (à vista); MT-Colíder: boi a R$ 248/@ (à vista) vaca a R$ 238/@ (à vista); GO-Goiânia: boi a R$ 262/@ (prazo) vaca R$ 248/@ (prazo); RS-Fronteira: boi a R$ 285/@ (à vista) vaca a R$ 255/@ (à vista); PA-Marabá: boi a R$ 256/@ (prazo) vaca a R$ 251/@ (prazo); PA-Paragominas: boi a R$ 266/@ (prazo) vaca a R$ 2561/@ (prazo); TO-Araguaína: boi a R$ 260/@ (prazo) vaca a R$ 250/@ (prazo); TO-Gurupi: boi a R$ 261/@ (à vista) vaca a R$ 251/@ (à vista); RO-Cacoal: boi a R$ 243/@ (à vista) vaca a R$ 233/@ (à vista); MA-Açailândia: boi a R$ 259/@ (à vista) vaca a R$ 241/@ (à vista).

PORTAL DBO


Produção de carne no Brasil deve crescer em 2023

O Brasil deverá produzir 10,450 milhões de toneladas de carne bovina (em equivalente carcaça) em 2023, segundo informações divulgadas pelo boletim Gain Report, de adidos do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA)


O volume deve superar as 10,350 milhões de toneladas previstas para este ano. Para atingir esse volume, o país deve abater 42,670 milhões de bovinos no próximo ano, acima dos 42,250 milhões de animais esperados para 2022. A previsão é de que o país exporte 2,97 milhões toneladas de carne bovina em 2020, superando as 2,95 milhões de toneladas previstas para este ano. O consumo interno deve ficar em 7,547 milhões de toneladas no próximo ano, à frente das 7,471 milhões de toneladas esperadas para 2022.

AGÊNCIA SAFRAS


SUÍNOS


Carcaça suína especial tem queda em São Paulo

A cotação da carcaça especial suína apresentou desvalorização nesta quinta-feira (27), os preços estão em torno de R$ 10,10/R$ 10,50 o quilo, com queda de 0,98%/0,94%


No levantamento da Scot Consultoria, o valor da arroba do suíno CIF está entre R$ 141,00/@ a R$145,00/@, e não houve mudança. O preço do animal vivo em Santa Catarina registrou alta de 0,15% e está cotado em R$ 6,61/kg, conforme foi divulgado pelo Cepea/Esalq referente às informações da última terça-feira (25). O preço do animal vivo em Minas Gerais está próximo de R $ 7,55/kg e seguiu estável o comparativo diário. Em São Paulo, o animal vivo apresentou estabilidade e está ao redor de R $ 7,58/kg. No Paraná, o valor do animal ficou sem referência. Já no Rio Grande do Sul, o preço do suíno permaneceu cotado em torno de R $ 6,79/kg.

Cepea/Esalq


Suinocultura independente: Preços recuam nas principais regiões

Indústrias estão acompanhando como será a demanda doméstica diante da proximidade das festas de final de ano e eventos esportivos


No Paraná, considerando a média semanal (entre os dias 20/10/2022 a 26/10/2022), o indicador do preço do quilo vivo do Laboratório de Pesquisas Econômicas em Suinocultura (Lapesui) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) alta de 7,86%, fechando a semana em R$ 7,03/kg. "No comparativo mensal das médias semanais, o preço do kg vivo do suíno no Paraná apresentou alta de 12,80% em relação à semana do dia 28/09/2022. Espera-se que na próxima semana o preço do suíno vivo apresente alta, podendo ser cotado a R$ 7,24”, informou o Lapesui em seu boletim semanal. O preço do quilo do animal vivo no mercado independente em São Paulo registrou recuo de 3,38, passando de R$ 8,00/kg para R$ 7,73/kg na quinta-feira, segundo informações da Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS). No mercado mineiro, o preço do animal registrou queda de 3,95% e está cotado em R$ 7,30/kg, com acordo entre os frigoríficos e suinocultores, conforme dados da Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg). Em Santa Catarina, segundo dados da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), o preço do animal apresentou estabilidade e continua precificado em R$ 6,96/kg vivo.

AGROLINK


Suínos/Cepea: Competitividade de carne suína recua frente a concorrentes

Enquanto os preços da carne suína registram forte alta de setembro para outubro, os da proteína de frango apresentam pequena elevação, e os da bovina, queda


Diante disso, nesta parcial de outubro (até o dia 25), a competitividade da carne suína vem caindo em relação a essas duas proteínas substitutas. Vale ressaltar que a proteína suinícola perde competitividade à medida que seu preço médio se distancia do de frango e se aproxima do da carne bovina. Segundo pesquisadores do Cepea, os preços da carne suína negociada no atacado da Grande São Paulo iniciaram outubro com forte incremento, impulsionados pela demanda doméstica aquecida e pela oferta controlada, especialmente de animais com peso ideal para abate.

Cepea


FRANGOS


Frango no atacado segue com queda em São Paulo

O movimento de desvalorização continua nos preços de frango no atacado paulista, sendo que na quinta-feira (27) apresentou uma queda de 0,69%, conforme o levantamento da Scot Consultoria


A referência para a carne de frango na granja em São Paulo permaneceu estável e está precificada ao redor de R$ 5,50/kg. No estado de Santa Catarina, o valor da ave seguiu estável e cotado a R$ 4,20/kg, conforme divulgado pelo Epagri (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina). A referência do frango vivo no Paraná não teve alteração e está cotado ao redor de R$5,19/kg, enquanto em São Paulo a cotação do frango vivo está sem referência. No último levantamento realizado pelo Cepea na quinta-feira (26), o preço do frango congelado teve valorização de 0,25% e está cotado em R$ 7,99/kg. Já a cotação do frango resfriado apresentou estabilidade sendo negociado em R$ 7,98/kg.

Cepea/Esalq


EMPRESAS


C. Vale: Complexo agroindustrial completa 25 anos

O empreendimento entrou em operação em 10 de outubro de 1997 quando começou a abater frangos criados pelos associados. De lá para cá não parou de crescer. São abatedouros de aves, peixes, industrializados, fábrica de rações, matrizeiros, incubatórios e agora, em construção a tão sonhada esmagadora de soja. Atualmente são abatidas 615 mil aves/dia e 150 mil tilápias/dia que são comercializadas para os mercados mais exigentes do Brasil e do mundo


O presidente da C. Vale e idealizador do plano de modernização da cooperativa, Alfredo Lang, resgatou a história e concluiu dizendo que nada seria possível se não fossem as pessoas. “Vocês, os associados e a comunidade são os responsáveis por nos trazer até aqui”, enfatizou aos funcionários durante evento no dia 17 de outubro. O gerente da Divisão Industrial, Reni Girardi, falou em nome dos funcionários da indústria e enalteceu a sensibilidade do presidente em criar um projeto que agregasse valor à matéria prima, gerando renda e qualidade de vida no campo e na cidade. “Ao celebrar esses 25 anos passam duas coisas na minha cabeça: orgulho em fazer parte dessa história indescritível e gratidão ao idealizador desse complexo, Alfredo Lang. Graças a ele, a C. Vale é reconhecida internacionalmente pela qualidade de seus produtos”, enfatizou Reni.m

Imprensa C. Vale


NOTÍCIAS SETORIAIS – PARANÁ


Ministério espera publicações de editais de leilões de rodovias no PR em novembro

O Ministério da Infraestrutura planeja para novembro a publicação dos editais de concessão de dois lotes de rodovias no Paraná, que somam 18,6 bilhões de reais em investimentos ao longo de 30 anos de contratos


O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou na quarta-feira os projetos de concessão dos lotes 1 e 2 do sistema Rodovias Integradas do Paraná, que englobam mais de 1 mil quilômetros de estradas que cortam o Estado, informou o ministério em comunicado. "Com a decisão da Corte de Contas, os editais de licitação devem ser publicados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) em novembro", afirmou a pasta. A previsão para o leilão é dezembro. O lote 1 é formado por 473,01 quilômetros das rodovias BR-277/373/376/476/PR e PR-418/423/427. Os investimentos estimados são de 7,8 bilhões de reais. O lote 2 é integrado por 604 quilômetros das rodovias BR-153/277/369/PR e PR- 092/151/239/407/408/411/508/804/855, com previsão de investimento de 10,8 bilhões de reais. Além dos dois lotes, os governos do Paraná e federal planejam concessões de outros quatro, informou o ministério.

REUTERS


Deral reduz previsão de safra de trigo do Paraná, mantém projeção para soja e milho

A safra de trigo do Paraná de 2022 foi estimada em 3,57 milhões de toneladas, ante 3,79 milhões de toneladas na previsão de setembro, informou na quinta-feira o Departamento de Economia Rural (Deral), que ajustou os números mensais considerando problemas climáticos


Ainda assim, a produção teria potencial de crescer 11% na comparação anual, em que pese o Deral considere que uma parte da safra sofrerá com problemas de qualidade devido às chuvas no período da colheita. “Tem efeito da seca, tem efeito obviamente das chuvas e das geadas, diria que o principal fator de baixa de produtividade agora são as chuvas, antes era a seca”, disse o agrônomo Carlos Hugo Godinho, do Deral. Segundo ele, as baixas na produtividade estimadas estão mais concentradas no oeste e sudoeste do Estado. Sobre a qualidade, o índice de trigo que poderá ser destinado para ração, devido às condições de umidade na safra, só ficará claro ao final da colheita. As chuvas, embora tenham também atrasado as atividades de plantio de verão, têm sido de forma geral favoráveis para as lavouras que estão sendo plantadas ou em fase inicial de desenvolvimento, segundo o Deral. O Paraná, um dos maiores produtores de grãos do Brasil, poderá colher uma safra recorde de soja em 2022/23 de 21,47 milhões de toneladas, número praticamente estável ante previsão de setembro, segundo levantamento do Deral. A primeira safra de milho do Estado no ciclo 2022/23 foi estimada em 3,89 milhões de toneladas, aumento de 31% na comparação anual e praticamente estável ante a projeção do mês anterior. “Ambas culturas mantém estáveis… Neste momento, a expectativa é de safra cheia. Condições de lavoura, em geral, boas para a maioria das áreas plantadas (de soja e milho). Considerando o clima bom dessa semana, a expectativa é que normalize o plantio no próximo relatório, da semana que vem”, disse Edmar Gervásio, do Deral. O órgão do governo do Paraná ainda ajustou ligeiramente a previsão da segunda safra de milho 2021/22, recém-colhida, para 13,29 milhões de toneladas.

REUTERS


ECONOMIA/INDICADORES


Dólar à vista fecha em baixa de 1,48%, a R$5,3026 na venda

O dólar tombou quase 1,5% frente ao real na quinta-feira, abatido por movimento de ajuste de posições após forte disparada da moeda norte-americana no início da semana, enquanto acenos do candidato presidencial Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a uma agenda fiscalmente responsável ajudaram a sustentar o humor do mercado doméstico


No entanto, a volatilidade dos negócios se mostrou elevada, e agentes financeiros citaram a manutenção de preocupações na reta final da corrida eleitoral, com alguns temendo eventual contestação da credibilidade do processo e extensão da incerteza para além do segundo turno de domingo. A moeda norte-americana à vista tombou 1,48%, a 5,3026 reais, registrando a maior depreciação percentual diária desde 3 de outubro (-4,03%), pregão que sucedeu o primeiro turno do pleito presidencial.

REUTERS


Ibovespa fecha em alta com arrancada no final de olho em eleição

O Ibovespa cessou a sequência negativa da semana e avançou na quinta-feira, no penúltimo pregão antes do segundo turno da eleição presidencial no país, com um noticiário corporativo rico também ocupando a atenção


Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa fechou em alta 1,93%, a 114.940,77 pontos, de acordo com dados preliminares, após perder quase 6% nas três sessões anteriores. Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PT) travam uma disputa acirrada pelo Palácio do Planalto, mas com o petista - que venceu no primeiro turno - ainda liderando as principais pesquisas de intenção de votos. Na parte final do pregão, o Ibovespa acelerou a alta para mais de 3%, tocando a máxima da sessão, em 116.235,76 pontos, em reação à notícia de O Globo de que Lula divulgará carta prometendo combinar responsabilidade fiscal e social. Ainda no call de fechamento, Lula divulgou a carta afirmando que a política fiscal responsável deve seguir regras claras e realistas. Em meio a uma forte volatilidade por causa do cenário político, o Ibovespa agora contabiliza uma queda de mais de 4% na semana, com o desempenho de outubro positivo em 4,5% - alta na primeira e terceira semanas do mês e queda na segunda. O volume financeiro nesta quinta-feira somava 30 bilhões de reais.

REUTERS


Governo central tem superávit de R$10,954 bi em setembro com reforço de dividendos da Petrobras

O governo central, que reúne Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social, registrou um superávit primário de 10,954 bilhões de reais em setembro, informou o Tesouro na quinta-feira


O dado foi impulsionado pelo pagamento ao Tesouro de 12,6 bilhões de reais em dividendos pela Petrobras e veio melhor que a projeção do mercado para o mês, de superávit de 9,95 bilhões de reais, segundo pesquisa Reuters com analistas. As receitas do governo central, já descontadas as transferências obrigatórias a Estados e municípios, cresceram 6,4% em termos reais em setembro sobre o mesmo mês de 2021, para 146,425 bilhões de reais. As despesas caíram 1,1% no mesmo período, a 135,471 bilhões de reais. No acumulado de janeiro a setembro, o superávit nas contas públicas ficou em 33,775 bilhões de reais, contra um rombo de 81,568 bilhões de reais em igual período de 2021. Em 12 meses, o superávit primário é de 84,9 bilhões de reais, equivalente a 1,01% do Produto Interno Bruto (PIB).

REUTERS


Estoque de crédito no Brasil sobe 2,2% em setembro, diz BC

O estoque total de crédito no Brasil subiu 2,2% em setembro sobre agosto, a 5,177 trilhões de reais, correspondente a 55,0% do Produto Interno Bruto (PIB), divulgou o Banco Central na quinta-feira


No mês, a inadimplência no segmento de recursos livres ficou em 4,0%, contra 3,9% no mês anterior. O spread bancário no mesmo segmento ficou em 28,3 pontos percentuais, mesmo patamar de agosto.

REUTERS


Taxa de desemprego no Brasil cai a 8,7% no 3º tri, menor nível desde 2015

No entanto, o mercado de trabalho segue marcado fortemente pela informalidade e rendimento ainda fraco, em meio à inflação elevada, embora o número de trabalhadores com carteira siga crescendo


O Brasil encerrou o terceiro trimestre com a menor taxa de desemprego em mais de sete anos, de 8,7%, dando seguimento à recuperação do mercado de trabalho com aumento da ocupação com carteira assinada, embora a informalidade ainda seja marcante. O dado divulgado na quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) marcou a menor taxa desde o trimestre fechado em julho de 2015, quanto também foi de 8,7%, ficando em linha com a expectativa em pesquisa da Reuters. De acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, a taxa estava em 9,3% no segundo trimestre, e em 12,6% no terceiro trimestre de 2021. “Está em curso a expansão da ocupação no mercado de trabalho, que tem a ver com a flexibilização de regras de restrição da pandemia, com vacinação e melhora da atividade econômica", explicou Adriana Beringuy, coordenadora da pesquisa. “Vivemos um período de recuperação do mercado de trabalho, mas de forma não uniforme em seus ramos e atividades." A expectativa é de que o desemprego continue recuando até o final do ano, diante da recuperação econômica e dos efeitos da reabertura após a pandemia. No terceiro trimestre o Brasil registrava 9,46 milhões de desempregados, uma queda de 6,2% em relação ao período de abril a junho e de 29,7% sobre o mesmo período do ano anterior, chegando ao menor número de pessoas desocupadas desde o trimestre terminado em dezembro de 2015. Já o total de ocupados subiu 1,0% no período, a 99,269 milhões, o que representa ainda um avanço de 6,8% em relação ao terceiro trimestre de 2021 e bate novamente o recorde da série histórica, iniciada em 2012. “A ocupação cresce em ritmos diferentes. Nos últimos trimestres os destaques têm sido comércio e outros serviços, além da administração pública”, disse a coordenadora do IBGE. Os trabalhadores com carteira assinada no setor privado aumentaram 1,3% no terceiro trimestre sobre o segundo, enquanto os que não tinham carteira também cresceram 1,3%, batendo o recorde da série histórica com 13,212 milhões. “Hoje a formalidade tem um peso importante na ocupação, parte significativa das vagas é aberta com carteira assinada", disse Beringuy. Por sua vez, o número de empregados no setor público foi recorde da série histórica, chegando a 12,156 milhões, um aumento de 2,5% no trimestre e de 8,9% no ano. O IBGE informou ainda que o nível da ocupação no terceiro trimestre foi de 57,2%, o mais alto desde o trimestre terminado em outubro de 2015. A pesquisa apontou ainda que a renda média habitual foi de 2.737 reais no terceiro trimestre, contra 2.640 reais no segundo.

REUTERS


Confiança da indústria do Brasil cai em outubro ao menor nível desde março, diz FGV

A confiança da indústria no Brasil despencou em outubro e atingiu o nível mais fraco desde março, com piora tanto da avaliação da situação atual quanto das expectativas, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) na quinta-feira


O Índice de Confiança da Indústria (ICI) teve queda de 3,8 pontos na comparação com o mês anterior, de acordo com os dados da FGV, chegando a 95,7 pontos, no segundo recuo seguido e pior resultado desde março de 2022. O Índice de Situação Atual (ISA), que mede o sentimento dos empresários sobre o momento presente do setor industrial, recuou 4,5 pontos e foi a 96,4 pontos, segundo a FGV o menor nível desde julho de 2020, quando o Brasil ainda estava em lockdown. "Há uma piora das avaliações sobre a situação atual influenciada por uma percepção de redução da demanda interna e externa, aumento do nível de estoques e ainda dificuldades na obtenção de insumos por alguns segmentos", explicou em nota Stéfano Pacini, economista da FGV IBRE. O Índice de Expectativas (IE), indicador da percepção sobre os próximos meses, teve por sua vez queda de 3,0 pontos, para 95,0 pontos, no resultado mais fraco desde março deste ano. "Há uma piora das expectativas que pode estar relacionada a uma desaceleração global prevista e um cenário econômico brasileiro que considera uma inflação acima da meta para 2023 e por isso uma política mais contracionista", completou Pacini. Em agosto, a indústria brasileira voltou a registrar queda na produção, de 0,6%, com destaque para as perdas em produtos derivados de petróleo, segundo os dados mais recentes do IBGE.

REUTERS


BNDES suspende linhas de crédito para pequenos produtores por falta de recursos

Protocolos de pedidos para a compra de máquinas no âmbito do Pronaf também estão bloqueados


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) suspendeu o protocolo de pedidos de financiamentos na linha de investimentos do Pronaf para a compra de tratores e colheitadeiras por pequenos produtores, com juros de 6% ao ano, “em razão do nível de comprometimento dos recursos disponíveis” no programa. O aviso foi enviado às instituições financeiras cadastradas na semana passada. Foram suspensos os protocolos de pedidos na linha do Pronaf para a compra de tratores e colheitadeiras por pequenos produtores. Agora, apenas os programas ABC+ Ambiental, Moderagro e as linhas Pronaf B e Custeio Faixa 1 estão com protocolos abertos no BNDES. Ontem, o banco recebeu um acréscimo de R$ 77,2 milhões nos limites do Custeio do Pronamp, mas ainda não foi anunciada a reabertura da linha. Com os remanejamentos feitos pelo Tesouro Nacional, o volume de recursos equalizáveis pela instituição aumentou levemente, para R$ 19,9 bilhões. Em resposta ao Valor, o BNDES informou que, “apesar do esgotamento dos recursos das linhas e programas” com protocolos fechados, segue disponibilizando financiamentos rurais com o Programa BNDES Crédito Rural, que não conta com equalização do Tesouro. Do início de julho ao dia 19 de outubro, o BNDES aprovou a liberação de R$ 17,6 bilhões em crédito rural para 66 mil beneficiários. Segundo a instituição, a demanda por financiamentos está normal. “O comprometimento acelerado dos recursos decorre de forte demanda por crédito do setor agropecuário”, disse o banco. As linhas cujo comprometimento dos limites equalizáveis atingem 80% são suspensas pelo BNDES com medida de “compliance com seus controles e boas práticas bancárias", explicou. Estão suspensos os protocolos dos seguintes programas e linhas do Plano Safra 2022/23 no BNDES: Programa Crédito Agropecuário Empresarial de Investimento e de Custeio; · Linhas de Investimento do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF Investimento Faixa 1 e Faixa 2; Matrizes Reprodutores e Caminhonetes, Tratores e Colheitadeiras; · Linha de financiamento do PRONAF Custeio - Faixa 2; · Linhas de Custeio e de Investimento do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural – PRONAMP; · Programa para a Adaptação à Mudança do Clima e Baixa Emissão de Carbono na Agropecuária – Programa ABC+, exclusivamente no tocante às Linhas ABC+ Recuperação, ABC+ Orgânico, ABC+ Plantio Direto, ABC+ Integração, ABC+ Florestas, ABC+ Manejo de Resíduos, ABC+ Dendê, ABC+ Bioinsumos, ABC+ Manejo dos Solos; · Programa para Construção e Ampliação de Armazéns – PCA, para todas as Linhas de financiamento deste Programa; · Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária – INOVAGRO; · Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras – MODERFROTA; · Procapagro Giro; · Programa de Financiamento à Agricultura Irrigada e ao Cultivo Protegido - PROIRRIGA; e · Mais do Valor Econômico Programa de desenvolvimento cooperativo para agregação de valor à produção agropecuária – PRODECOOP.

VALOR ECONÔMICO


POWERED BY

EDITORA ECOCIDADE LTDA

041 3289 7122


2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page