Buscar
  • prcarne

CLIPPING DO SINDICARNE Nº 127 DE 13 DE MAIO DE 2022


Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do Paraná

Ano 2 | nº 127 |13 de maio de 2022


NOTÍCIAS SETORIAIS – BRASIL


BOVINOS


Boi gordo: frigoríficos pressionam valor da arroba. Quedas são pontuais

De acordo com os analistas da IHS Markit, entre as principais regiões pecuárias brasileiras, o mercado do boi registra comportamentos distintos


Em Paragominas, no Norte do País, as chuvas ainda não cessaram e o forte volume de precipitações tem prejudicado as operações logísticas e o embarque de animais, forçando os frigoríficos locais a buscar animais terminados em praças mais ao sul do Estado do Pará. No Maranhão, região Nordeste, muitos pecuaristas estão liquidando lotes de boiadas gordas com o início do período de estiagem e, consequentemente, os primeiros sinais de perda de volume de massa verde, relata a IHS. Na região Sudeste (sobretudo nas praças pecuárias paulistas) e também em algumas regiões do Centro-Oeste, as indústrias exportadoras seguem cadenciando o ritmo de compra de gado gordo, devido às conturbadas relações comerciais com a China. “Em alguns casos, indústrias frigoríficas relataram a estratégia de não estender muito as programações de abate, temendo a formação de estoques excessivos de carne bovina nas câmaras frias devido aos embargos por parte dos importadores chineses”, relata a IHS. As novas medidas chinesas de restrição ocasionaram sérios problemas logísticos, afetando as operações de embarque e desembarque no porto de Xangai, o maior canal de entrada da carne bovina (entre outras mercadorias) importada pelo país. Paralelamente, com o fim da época das águas e chegada do período mais seco do ano, muitos pecuaristas brasileiros que estavam represado os seus lotes de animais gordos começam a liquidar os estoques, dizem os analistas. “Tais fatores abriram espaço para alguns ajustes negativos nos preços do boi gordo durante a semana”, relatou a IHS. No mercado atacadista, os preços dos principais cortes bovinos recuaram nesta semana. Cotações: PR-Maringá: boi a R$ 305/@ (à vista) vaca a R$ 280/@ (à vista); SP-Noroeste: boi a R$ 320/@ (prazo) vaca a R$ 280/@ (prazo); MS-Dourados: boi a R$ 296/@ (à vista) vaca a R$ 271/@ (à vista); MS-C. Grande: boi a R$ 300/@ (prazo) vaca a R$ 273/@ (prazo); MS-Três Lagoas: boi a R$ 293/@ (prazo) vaca a R$ 271/@ (prazo); MT-Cáceres: boi a R$ 286/@ (prazo) vaca a R$ 270/@ (prazo); MT-B. Garças: boi a R$ 282/@ (prazo) vaca a R$ 272/@ (prazo); MT-Cuiabá: boi a R$ 285/@ (à vista) vaca a R$ 274/@ (à vista); MT-Colíder: boi a R$ 281/@ (à vista) vaca a R$ 268/@ (à vista); GO-Goiânia: boi a R$ 293/@ (prazo) vaca R$ 271/@ (prazo); RS-Fronteira: boi a R$ 335/@ (à vista) vaca a R$ 305/@ (à vista); PA-Marabá: boi a R$ 281/@ (prazo) vaca a R$ 270/@ (prazo); PA-Paragominas: boi a R$ 290/@ (prazo) vaca a R$ 280/@ (prazo); TO-Araguaína: boi a R$ 281/@ (prazo) vaca a R$ 263/@ (prazo); TO-Gurupi: boi a R$ 276/@ (à vista) vaca a R$ 262/@ (à vista); RO-Cacoal: boi a R$ 265/@ (à vista) vaca a R$ 253/@ (à vista); MA-Açailândia: boi a R$ 275/@ (à vista) vaca a R$ 260/@ (à vista).

PORTAL DBO

SUÍNOS


Mercado de suínos segue enfraquecido

Em São Paulo, de acordo com a Scot Consultoria, a arroba do suíno CIF ficou estável em R$ 113,00/R$ 120,00, enquanto a carcaça especial cedeu 1,10%/1,05%, custando R$ 9,00 o quilo/R$ 9,40 o quilo


Na cotação do animal vivo, conforme informações do Cepea/Esalq, referentes à quarta-feira (11), houve queda de 1,43% no Rio Grande do Sul, atingindo R$ 5,51/kg, e de 1,05% em Santa Catarina, alcançando R$ 5,65/kg. Ficaram estáveis os preços em Minas Gerais, valendo R$ 6,96/kg, R$ 5,62/kg no Paraná e R$ 6,57/kg em São Paulo.

Cepea/Esalq


Suinocultura independente: preços caíram forte na quinta-feira

No Paraná, considerando a média semanal (entre os dias 05/05/2022 a 11/05/2022), o indicador do preço do quilo vivo do Laboratório de Pesquisas Econômicas em Suinocultura (Lapesui) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) teve queda de 0,85%, fechando a semana em R$ 6,01. "Espera-se que na próxima semana o preço do suíno vivo apresente queda, podendo ser cotado a R$ 5,95 o quilo", informou o Lapesui.


Em São Paulo, segundo dados da Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS), o preço caiu de R$ 7,36/kg vivo (registrado no dia 28 de abril, já que no dia 5 de maio não houve referência de preço) para R$ 6,13/kg. No mercado mineiro, o valor caiu de R$ 7,00/kg para R$ 6,30 o quilo vivo, com acordo entre suinocultores e frigoríficos, conforme com informações da Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg). Santa Catarina também registrou recuo, saindo de R$ 6,18 para R$ 5,76 o quilo vivo.

AGROLINK


Suínos/Cepea: Poder de compra avança pelo 3º mês seguido

O poder de compra de suinocultores paulistas frente aos principais insumos da atividade (milho e farelo de soja) vem crescendo nesta parcial de maio frente ao verificado em abril


Trata-se do terceiro mês consecutivo de avanço no poder de compra. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário favorável ao suinocultor foi possível diante dos aumentos nos preços médios de comercialização do animal vivo e também das desvalorizações dos insumos. Apesar disso, agentes do setor consultados pelo Cepea têm se mostrado bastante apreensivos e com receio de que, até o final do mês, esse movimento de avanço no poder de compra seja interrompido. Esses agentes se fundamentam no fraco desempenho das vendas de carne na semana que antecedeu o Dia das Mães, quando tipicamente o mercado se aquece. Assim, os preços da proteína e, consequentemente, dos animais para abate, estão em queda nesta semana.

Cepea


FRANGOS


Frango: setor ampliou quedas na quinta-feira

Em São Paulo, de acordo com a Scot Consultoria, a ave no atacado baixou 1,23%, cotado em R$ 7,23/kg, enquanto o frango na granja cedeu 1,54%, valendo R$ 6,40/kg.

Na cotação do animal vivo, São Paulo ficou sem referência de preço, no Paraná a ave ficou estável em R$ 5,44/kg, assim como em Santa Catarina, valendo R$ 4,11/kg. Conforme informações do Cepea/Esalq, referentes à quarta-feira (11) tanto a ave congelada quanto a resfriada cederam 0,64%, custando ambas R$ 7,82/kg.

Cepea/Esalq


Exportações de carne de frango alcançam 418,2 mil toneladas em abril

As exportações brasileiras de carne de frango (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) totalizaram 418,2 mil toneladas em abril, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O dado é 5,7% superior ao registrado no mesmo período de 2021, quando foram exportadas 395,7 mil toneladas


Em receita, o resultado dos embarques do período totalizou US$ 821 milhões, número 34,6% maior que o desempenho alcançado em abril do ano passado, com US$ 610 milhões. No quadrimestre (janeiro a abril), as vendas internacionais de carne de frango alcançaram 1,560 milhão de toneladas, número 9% maior que o registrado nos quatro primeiros meses de 2021, com 1,432 milhão de toneladas. Em receita, o resultado do período cresceu 32,4%, com US$ 2,872 bilhões, contra US$ 2,169 bilhões no ano passado. Entre os principais importadores dos produtos brasileiros no quadrimestre estão a China, com 197,1 mil toneladas (-3%), Emirados Árabes Unidos, com 164,4 mil toneladas (+80,4%), Japão, com 132,4 mil toneladas (+0,3%), África do Sul, com 119,8 mil toneladas (+14,3%), União Europeia, com 71,7 mil toneladas (+27,8%), e México, com 58,5 mil toneladas (+128,6%). “Houve um crescimento generalizado entre os grandes importadores do Oriente Médio, Ásia e Europa, que compensou leves retrações na China e impulsionaram o bom resultado alcançado em abril. Os impactos gerados pela Influenza Aviária em grandes produtores e exportadores favoreceram o Brasil no comércio global, já que o país nunca registrou focos da enfermidade. A forte elevação dos custos de produção e a alta dos preços dos alimentos em âmbito global também influenciaram o resultado cambial das exportações, minimizando as dificuldades enfrentadas pelo setor”, avalia o presidente da ABPA, Ricardo Santin.

ABPA

CARNES


Abate de bovinos e suínos cresce e de frangos recua no 1° trimestre

O abate de frangos caiu 1,8% e o de bovinos e suínos subiu 4,7% e 7,2%, respectivamente, no primeiro trimestre de 2022, na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo os resultados preliminares da Estatística da Produção Pecuária, divulgada ontem pelo IBGE


Os resultados completos para o primeiro trimestre de 2022 e para as unidades da federação serão divulgados em 8 de junho de 2022. De acordo com os dados preliminares, o número de cabeças de bovinos abatidas no trimestre foi 6,91 milhões, enquanto o abate de suínos registrou 13,64 milhões e o de frangos 1,54 bilhão de cabeças. Apesar do recuo, o abate de frangos representou aumento de 0,1% em relação ao último trimestre do ano passado. O abate de bovinos também cresceu 0,1% em relação ao 4º trimestre de 2021, enquanto o de suínos, na mesma comparação, teve acréscimo de 2,0%. No primeiro trimestre deste ano, do total de bovinos abatidos, o resultado preliminar aponta uma produção de 1,82 milhão de toneladas de carcaças, aumento de 5,2% em relação ao mesmo período de 2021, porém redução de 4,5% na comparação com o último trimestre do mesmo ano. Em relação aos suínos, o peso acumulado das carcaças atingiu 1, 24 milhão de toneladas, com alta de 6,7% frente ao primeiro trimestre do ano passado e de 1,8% na comparação com o quarto trimestre de 2021. Já o peso das carcaças de frango foi de 3,76 milhões de toneladas. Na comparação anual, houve aumento de 2,4%, e frente ao último trimestre de 2021, o acréscimo foi de 1,9%.

IBGE


EMPRESAS


Minerva projeta segundo trimestre melhor que o primeiro

Aumento da oferta de gado no Brasil tende a aliviar pressão de custos de produção, avalia a empresa


A Minerva acredita que pode ter um segundo trimestre melhor do que o anterior. Mas, em teleconferência sobre os resultados dos primeiros três meses de 2022, o Diretor de Finanças da empresa, Edison Ticle, foi cauteloso e preferiu não cantar vitória antes da hora. “O trimestre ainda não acabou, mas fato é que os indicadores estão melhores”, respondeu a analistas. No primeiro trimestre, a receita líquida da Minerva cresceu 25% em relação ao mesmo período do ano passado, para R$ 7,2 bilhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) foi de R$ 646 milhões, um aumento de 33%, e a margem Ebitda chegou a 8,9%. A companhia está otimista com o aumento da oferta de gado no Brasil. O CEO Fernando Queiroz prevê que o ciclo pecuário permaneça em alta por pelo menos três anos, aliviando a pressão dos custos para aquisição de animais — que são 80% dos gastos totais da empresa. “Espera-se uma redução de quase 5% na produção de carne bovina dos EUA em 2022, e a Europa também deve ter uma queda anual. Assim, a América do Sul deve aumentar sua participação no mercado global”, afirma Queiroz, frisando que a criação de gado a pasto é uma vantagem competitiva dessa geografia. Entre janeiro e março, OS negócios para exportação representaram 70% da receita da Minerva. Entre as origens dos embarques, o Brasil se destaca, respondendo por 52% do faturamento. Relevância brasileira à parte, os executivos da Minerva reforçaram a visão global da companhia, que se vale da capacidade de redirecionar demandas durante turbulências — quando a China suspendeu as importações do Brasil no ano passado, a empresa atendeu os asiáticos por meio de suas plantas em outros países da América do Sul. A demanda chinesa, a propósito, deslanchou no primeiro trimestre porque ficou represada durante o embargo. Agora, com os lockdowns para conter a pandemia da covid-19, novamente, as compras diminuíram. “Mas está retornando. Vemos mais pedidos e interesse que devem se concretizar em 30 dias”, projetou Queiroz, mencionando que a demanda por carne bovina na China se descolou do consumo de proteína suína. “O quadro é positivo para os próximos meses”. Ticle finalizou o diálogo com analistas reforçando que a companhia está comprometida com uma gestão responsável, que remunera acionistas e não compromete a alavancagem, mantendo-a perto de 2,5 vezes. “Os investimentos não serão transformacionais e não prejudicarão o caixa. Reafirmo nosso compromisso com uma alocação de capital responsável”, disse.

VALOR ECONÔMICO


JBS vê cenário favorável para todos os negócios nos próximos meses

Lucro líquido da companhia aumentou 155% no primeiro trimestre, para US$ 5,1 bilhões


Maior companhia de alimentos do mundo, a JBS projeta um crescimento sólido nos próximos seis meses, assim como no primeiro trimestre, em boa medida graças à forte demanda global por proteínas. No início do ano, a companhia entregou um lucro líquido de US$ 5,1 bilhões, 155% superior ao do intervalo entre janeiro e março de 2021, em um cenário de custos mais altos em alguns mercados. Os Estados Unidos foram fundamentais, mais uma vez, para o negócio dos irmãos Batista. Mas, em teleconferência com analistas na quinta-feira, o CEO global da JBS, Gilberto Tomazoni, disse que houve resultados positivos até na Seara, que tenta driblar o aumento de preços de milho e farelo de soja, insumos que representam mais de 70% do custo de produção da avicultura e da suinocultura no Brasil. No país, a companhia também lida com as consequências da inflação, que derrubou o consumo de carne bovina aos níveis mais baixos da história. Porém, com atuação nas três proteínas animais mais importantes, a empresa conseguiu atrair consumidores que migraram para produtos mais acessíveis. “Quando temos um ciclo mais desafiador em algum mercado, a diversificação permite compensá-los”, frisou Tomazoni. Já o faturamento da Seara foi de R$ 9,5 bilhões, cerca de 21% a mais no comparativo anual. O Ebitda ficou positivo em R$ 616,2 milhões, mas caiu 33,9% em relação ao mesmo período do ano passado. A margem Ebitda foi de 6,5%, em queda de 5,4 pontos percentuais. “Foi um começo de ano bem mais difícil, mas conseguimos fazer um repasse importante de preço e crescer em volume. Mesmo nesse cenário desafiador, a nossa estratégia foi consistente”, afirmou o CEO para a América Latina, Oceania e do negócio de plant-based, Wesley Batista Filho. “Mantivemos nosso plano de produção de curto e longo prazo; não houve queda nos volumes”, reforçou. “Estamos bem otimistas quanto a continuar crescendo e ganhar mercado. Suíno continua sendo um desafio, mas acreditamos em uma recuperação relevante”, disse Wesley Batista Filho. A disponibilidade de gado na Austrália continua bem aquém do que é considerado normal, mas melhorou, e isso se refletiu nos números da JBS. A receita da operação no país cresceu 20,2%, para R$ 7,4 bilhões. O Ebitda saltou 398%, para R$ 445,2 milhões, e a margem Ebitda ficou em 6%, um aumento de 4,6 pontos percentuais. “Quando a gente olha o ciclo de gado na Austrália, que está em reconstrução desde o ano passado, vemos a retenção de matrizes, que cria um problema de disponibilidade de gado no curto prazo, mas é uma ótima notícia para 2023 e 2024”, diz o CEO para a região. Mas, como mencionado, foram os negócios nos EUA — comandados por André Nogueira — que puxaram os resultados globais. A demanda aquecida continua sendo o pilar de crescimento da operação, em meio ao aumento do preço do gado. “Nos próximos meses, veremos margens menores em relação ao ano passado, mas bastante razoáveis em relação à história da companhia. Anos após ano, estamos batendo os nossos concorrentes com diferenças significativas”, disse. A receita da JBS Beef foi 21,7% maior, totalizando R$ 29 bilhões. O Ebitda do trimestre chegou a R$ 4,1 bilhões, em alta de 56%, e a margem Ebitda ficou em 14,2%, um aumento de 3,1 pontos percentuais. A USA Pork teve receita de R$ 9,9 bilhões (+13,2%), Ebitda de R$ 1,2 bilhão (+20,1%) e margem Ebitda de 12,4% (0,7 ponto percentual a mais). A Pilgrim’s Pride faturou R$ 22,2 bilhões, com Ebitda de R$ 3,2 bilhões e margem Ebitda de 14,5%. A JBS acredita que a demanda chinesa por carne seguirá firme, a despeito dos lockdowns para conter a covid-19. Mas, no caso de suínos e frangos, será um “importador situacional, mas não estruturalmente”, disse Tomazoni.

VALOR ECONÔMICO


INTERNACIONAL


Brasil continua recebendo fertilizantes russos

Apesar das sanções econômicas impostas por diversos países ocidentais contra a Rússia, o Brasil segue comprando – e recebendo fertilizantes do seu maior fornecedor


Reportagem do jornal norte-americano The New York Times revela que “os compradores conseguiram encontrar maneiras de contornar esses obstáculos, incluindo o uso de um banco russo excluído das sanções e a ajuda do Citigroup em Nova York”. Os correspondentes Jack Nicas e André Spigariol reportaram que “o Brasil está reabastecendo seus estoques de fertilizantes – com a ajuda da Rússia. Assim como o gás russo que flui através de gasodutos para a Europa, centenas de milhares de toneladas de fertilizante russo chegaram ao Brasil desde a invasão. E mais está a caminho.” Nas últimas semanas, revela o jornal norte-americano, uma “grande empresa russa de fertilizantes vendeu mais de 165 mil toneladas de potássio para clientes brasileiros, com embarques previstos para junho, segundo um executivo envolvido nas transações que não estava autorizado a falar publicamente. Esse valor já era metade do potássio russo que havia chegado ao Brasil em junho de 2021”. O The New York Times lembra que “o Brasil correu para comprar fertilizante russo logo antes da invasão para manter os embarques no início da guerra. E embora a compra de fertilizantes russos em si não tenha sido proibida, os compradores brasileiros tiveram que enfrentar sanções aos bancos russos e obstáculos logísticos que os especialistas temiam que ainda cortassem o comércio”. “Os embarques são boas notícias para os preços e suprimentos globais de alimentos, mas más notícias para a estratégia do Ocidente de isolar economicamente a Rússia em uma tentativa de enfraquecer a determinação do presidente Vladimir Putin na Ucrânia”, analisam os correspondentes. A reportagem destaca que a “perspectiva de uma crise” fez com que os Estados Unidos criassem uma “redução em suas sanções no final de março para permitir explicitamente a compra de alimentos e fertilizantes russos. Embora as sanções financeiras ainda compliquem as transações, as autoridades americanas têm trabalhado para tranquilizar outros governos e líderes empresariais – incluindo reuniões com autoridades governamentais e da indústria no Brasil – que a compra de fertilizantes russos não é proibida”.

The New York Times


NOTÍCIAS SETORIAIS – PARANÁ


Volume de serviços cresce 6,7% no 1º trimestre no Paraná; evolução do turismo chega a 30%

O volume do setor de serviços cresceu 6,7% no Paraná no primeiro trimestre deste ano, no comparativo com o mesmo período do ano anterior. A evolução consta na Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada na quinta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O setor turístico, parte da pesquisa, registrou crescimento de 30,8% no mesmo período.


Os dados, comparados ao momento do começo da vacinação contra a Covid-19 e de mudanças nas medidas restritivas no início de 2021, apontam retomada consistente do setor que engloba atividades turísticas, restaurantes, academias, hotéis, cabeleireiros, produção de eventos, lavanderias, instituições de ensino e línguas, comunicação, design, limpeza e transporte. A pesquisa analisa serviços para famílias (alimentação, beleza, atividades esportivas e culturais), informação (edição de livros e jornais, agências de notícias, cinema, rádio, consultoria de TI), profissionais (engenharia, atividades jurídicas, aluguéis de máquinas, agências de viagens, gestão de recursos humanos), transportes (escolar, táxi, ferroviário, marítimo, carga, estacionamento de veículos e aéreo de passageiros) e outros (compra e venda de imóveis, manutenção de veículos, corretores de seguro, coleta de resíduos e atividade de apoio à agricultura), além do recorte de turismo. Na avaliação geral do setor, no mês de março houve evolução de 1,1% em relação a fevereiro no Paraná. No comparativo com março do ano passado o crescimento foi de 7,4%, e no acumulado dos últimos 12 meses chega a 11,3%. É o segundo mês seguido com avaliação positiva no Estado, após crescimento de 1,4% em fevereiro, no recorte que mensura o crescimento mês a mês – em janeiro a variação foi negativa. No comparativo com meses exatamente anteriores (fevereiro de 2022 com fevereiro de 2021, novembro de 2021 com novembro de 2020, etc), é o 13º crescimento positivo do Paraná. Neste ano os resultados foram de 5,7% em janeiro (frente a janeiro de 2021), 6,9% em fevereiro, além de 7,4% em março. Setorialmente, os avanços no mês de março, no comparativo com março de 2021, foram puxados por serviços prestados às famílias (50%), serviços profissionais (17,9%) e transporte (4,4%). No acumulado dos três primeiros meses do ano, os destaques são os mesmos, com aumento de 13,4% nos serviços prestados às famílias, 11,2% nos serviços profissionais e 9,6% nos de transporte.

AGÊNCIA ESTADUAL DE NOTÍCIAS


Governo do PR apela ao TRF4 para tentar liberar dinheiro da indenização da Petrobras

O governo do Paraná resolveu apelar ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) para tentar liberar o dinheiro da indenização da Petrobras (cerca de R$ 930 milhões) que está sendo paga pela contaminação do Rio Iguaçu


O agravo de instrumento (tipo de recurso) foi assinado pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) no último dia 8 e será analisado pelo desembargador Luís Alberto Aurvalle, relator do caso no TRF4. O apelo da PGE ocorre porque até agora não houve resposta da Justiça Federal no âmbito do primeiro grau sobre a liberação do dinheiro. O bloqueio provisório do dinheiro ocorreu em 18 de março, por determinação do juiz federal substituto Flávio Antônio da Cruz, da 11ª Vara de Curitiba. Ele acolheu um pedido de liminar do Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR), que contesta o destino de parte do dinheiro, definido pelo Conselho de Recuperação de Bens Ambientais Lesados. O grupo é comandado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo. Em 24 de março, o juiz chegou a realizar uma audiência de conciliação entre as partes, mas não houve acordo. Em 11 de abril, a PGE pediu ao juiz que houvesse uma análise imediata da questão, alertando que o governo estadual já havia comprometido parte do dinheiro (cerca de R$ 100 milhões) com a compra de 373 veículos (53 caminhões-baú; 71 caminhões coletor compactador; 35 caminhões limpa-fossa; 67 caminhões poliguindaste; e 147 caminhões-pipa). Mas, até agora, ainda não houve resposta do juiz, daí o apelo ao segundo grau da Justiça Federal. A indenização paga pela Petrobras é uma compensação pelo vazamento de 4 milhões de litros de óleo da Refinaria Presidente Getúlio Vargas, em Araucária, na região de Curitiba, no ano de 2000. O valor da indenização – um total de R$ 1,396 bilhão, sendo cerca de R$ 930 milhões ao Estado do Paraná – foi definido em acordo homologado em outubro do ano passado.

GAZETA DO POVO


ECONOMIA/INDICADORES


Dólar tem novo dia de volatilidade com incertezas sobre inflação

O mercado de câmbio teve mais um dia de instabilidade no Brasil, mas no fim da sessão a moeda acabou variando quase zero, conforme investidores evitaram ficar expostos diante do amplo conjunto de incertezas


Ao fim dos negócios no mercado à vista, o dólar ficou quase estável, com variação negativa de 0,06%, a 5,1424 reais. Analistas dizem que o nível psicológico de 5,20 reais pode funcionar por ora como uma barreira, mas na B3 contratos de opções de compra de dólar mostram uma resistência ainda mais forte na casa de 5,30 reais --que, se rompida, poderia deflagrar ordens automáticas de compras e puxar a moeda ainda mais para cima. Os rumos da economia global em meio ao ciclo agressivo de aperto monetário nos EUA seguiram monopolizando as atenções de investidores. Riscos de estagflação global --crescimento econômico fraco com alta inflação-- empurraram o dólar a uma nova máxima em 20 anos contra uma cesta de divisas. "Existe a discussão de que, enquanto o BC aqui deve parar de subir os juros em breve, nos EUA o Fed vai seguir aumentando --e isso seria em tese ruim para a nossa moeda", disse Luca Mercadante, economista da Rio Bravo, citando o potencial menor diferencial de juros a favor do real. "O que de fato dá para dizer é que continuaremos com volatilidade... Chegando próximo das eleições a gente (o mercado) ganha outros problemas, isso vai começar a ter importância maior mais para a frente", disse.

REUTERS


Ibovespa tem alta com ajuda do setor financeiro

O principal índice da bolsa brasileira subiu nesta quinta-feira, à medida que um avanço das ações do setor financeiro e de empresas ligadas ao consumo doméstico compensou queda de Vale e de ações de algumas siderúrgicas


O índice acelerou ganhos no final do pregão à medida que Wall Street reduziu perdas. De acordo com dados preliminares, o Ibovespa avançou 1,13%, a 105.576,53 pontos. O volume financeiro foi de 15,6 bilhões de reais.

REUTERS


Consumo nos lares brasileiros cresce 2,59% no trimestre

A região Sul obteve a maior variação no preço médio e teve a cesta mais cara dentre todas as regiões, com alta de 3,38%, ao passar de R$ 787,85 em fevereiro para R$ 814,48 em março


O consumo nos lares brasileiros aumentou 2,59% no primeiro trimestre do ano, de acordo com o Índice Nacional de Consumo dos Lares Brasileiros da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), divulgado na quinta-feira (12/05) pela entidade. A maior variação do consumo do trimestre foi registrada em março, com alta de 6,58% na comparação com fevereiro. Em relação a março de 2021, a alta é de 2,41%. “O primeiro trimestre foi marcado pela busca de lojas que operam com preços menores e pela compra de abastecimento concentrada nas semanas próximas do recebimento do salário. Por ora, troca de marca, substituição de produtos, busca por embalagens de melhor custo-benefício e por marcas próprias se mantêm acentuadas para compor a cesta de abastecimento”, explicou o Vice-Presidente da Abras, Marcio Milan. Segundo Milan, a pesquisa mostrou ainda que as pessoas voltaram a reduzir o consumo fora de casa, cortando supérfluos para fazer o abastecimento com a renda, que está mais restrita. Além disso, reduziram-se as idas aos pontos de venda, com compras mais planejadas, aproveitando o momento de recebimento do salário. “Os consumidores estão buscando diversificar os canais de compra. Temos visto as compras online crescendo, porque o consumidor busca um maior benefício. Além disso, buscam por embalagem com preço menor ou pelo desconto família, troca as marcas que utiliza por outras mais baratas, raciocina melhor no momento da compra e também buscam produtos com marca própria da rede.” De acordo com os dados, a cesta Abrasmercado composta por 35 produtos de largo consumo acumula alta no primeiro trimestre do ano de 5,11%, na comparação com o mesmo período do ano passado. Em março, a cesta registrou alta de 2,40% e passou de R$ 719,06 em fevereiro para R$ 736,34 em março. Em 12 meses, a alta foi de 15,45%. “O aumento se deve à pressão inflacionária puxada pelo repasse dos custos de produção na cadeia de alimentos, especialmente pelo aumento do preço do óleo diesel, que impacta o frete na logística dos produtos”, ressaltou a Abras. Os alimentos mais impactados pelo aumento foram o tomate (27,22%), a cebola (10,55%), o leite longa vida (9,34%), o óleo de soja (8,99%) e o ovo (7,08%). As maiores quedas foram registradas nos preços do pernil (-0,51%), do açúcar refinado (-0,13%) e da carne traseira (-0,07%). A região Sul obteve a maior variação no preço médio e teve a cesta mais cara dentre todas as regiões, com alta de 3,38%, ao passar de R$ 787,85 em fevereiro para R$ 814,48 em março. A região Sudeste registrou a segunda maior variação no preço da cesta, alta de 3,16%, passando de R$ 700,00 em fevereiro para R$ 722,14 em março. Nas outras regiões, as variações no preço da cesta em março na comparação com fevereiro foram respectivamente: Nordeste (1,93%), Norte (1,84%), Centro-Oeste (1,58%).

Agência Brasil


BNDES tem lucro recorde de R$12,9 bi no 1º tri, com venda de ações da JBS

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou na quinta-feira que teve lucro líquido recorde de 12,9 bilhões de reais no primeiro trimestre, alta de 32% ante igual período de 2021


Segundo o banco de fomento, o resultado foi influenciado por receita com dividendos da Petrobras, vendas de ações e reclassificação de investimento na JBS. Em fevereiro, o BNDES vendeu mais de 50 milhões de ações da JBS em operação de cerca de 1,9 bilhão de reais. De janeiro a março, os desembolsos do BNDES somaram 14,8 bilhões de reais, alta de 31% no comparativo anual. O índice de inadimplência da carteira acima de 90 dias ficou em 0,21%.

"Mais importante que lucros e desembolsos é a qualidade do resultado", disse o Presidente do BNDES, Gustavo Montezano, em nota.

REUTERS


Colheita recorde de grãos deve atingir 261,5 milhões de toneladas, diz IBGE

Volume previsto é 3,3% maior que o do ano passado, puxado pelo avanço do milho


A colheita brasileira de grãos deverá atingir o patamar recorde de 261,5 milhões de toneladas em 2022, 3,3% acima de 2021 – um acréscimo de 8,3 milhões de toneladas), segundo o novo Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado ontem. Na comparação com a previsão anterior, o volume é 1% maior (ganho de 2,5 milhões de toneladas). O IBGE informou que é esperado recuo de 12,2% na produção de soja ante 2021, para 118,5 milhões de toneladas. Para o arroz, a estimativa é de 10,6 milhões de toneladas, retração de 8,5% ante safra anterior. No caso do milho, é esperada queda de 1,4% na 1ª safra (25,3 milhões) e avanço de 39,4% na 2ª safra (86,6 milhões). Soja, milho e arroz são os três principais grãos cultivados no país. Representam 92,2% da estimativa da produção e respondem por 87,8% da área a ser colhida. O novo LSPA aponta que a área a ser colhida chegará a 71,9 milhões de toneladas, alta de 4,9% ante 2021 (mais 3,4 milhões de hectares) e 155,3 mil hectares a mais, ou 0,2%, que o indicado na projeção anterior. Na comparação dos resultados da pesquisa de abril ante a de março de 2022, o instituto destacou variações positivas nas seguintes estimativas de produção: batata-inglesa 3ª safra (20,4%, ou 163 344 toneladas), feijão 3ª safra (16,5%, ou 98 215 toneladas), batata-inglesa 2ª safra (9,0%, ou 102 083 toneladas), sorgo (4,0%, ou 112 407 toneladas), milho 1ª safra (2,7%, ou 654 257 toneladas), soja (2,0%, ou 2 337 581 toneladas) e feijão 2ª safra (1,3%, ou 17 134 toneladas). Em contrapartida, na mesma comparação houve quedas nas estimativas de produção de feijão 1ª safra (7,5%, ou 90 328 toneladas), batata-inglesa 1ª safra (3,2%, ou 55 526 toneladas) e milho 2ª safra (0,7%, ou 643 820 toneladas).

VALOR ECONÔMICO


Volume de serviços avança 1,7%, maior alta para o mês na série histórica iniciada em 2011

Na comparação com igual período do ano anterior, indicador teve alta de 11,4%; setor está, em média, 7,2% acima do nível pré-pandemia


O volume de serviços prestados no país teve alta de 1,7% em março, frente a fevereiro, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgados na quinta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi a maior expansão para o mês de toda a série histórica, iniciada em 2011. Em fevereiro, o setor tinha avançado 0,4% (dado revisado após divulgação inicial de -0,2%). Com o desempenho de março, os serviços recuperaram a perda de janeiro (-1,8%) e alcançaram o maior patamar de produção desde maio de 2015. Além disso, os serviços estão, em média, 7,2% acima do nível pré-pandemia, em fevereiro de 2020. Algumas atividades, no entanto, ainda não recuperaram o patamar do pré-pandemia. Na comparação com março de 2021, o indicador teve alta de 11,4%. No resultado acumulado em 12 meses até março, houve alta de 13,6%. No acumulado do ano, o volume de subiu 9,4% frente a igual período de 2021. O resultado na série com ajuste sazonal ficou acima da mediana das estimativas de 26 consultorias e instituições financeiras ouvidas pelo Valor Data, de variação de 0,9%. Todas as cinco atividades acompanhadas pela pesquisa tiveram alta na passagem de fevereiro para março. Foram destaque os transportes (2,7%) e os serviços de informação e comunicação (1,7%). O IBGE informou ainda que a receita nominal subiu 1,2% na passagem entre fevereiro e março. Na comparação com março de 2021, a receita de serviços teve alta de 17,9%. Em março de 2022, frente a fevereiro, 24 das 27 unidades da federação investigadas registraram taxas positivas. Entre os locais com alta, o impacto mais importante veio de São Paulo (2,7%), seguido por Minas Gerais (6,4%) Distrito Federal (10,3%), Santa Catarina (4,2%), Rio Grande do Sul (2,6%) e Rio de Janeiro (0,8%). Resultado trimestral O volume de serviços teve alta de 1,8% no primeiro trimestre do ano, frente ao quarto trimestre, segundo os dados da PMS. Este foi o sétimo trimestre seguido de crescimento na série trimestral, frente ao trimestre imediatamente anterior, e veio mais intenso que o do quarto trimestre (0,8%). Ao longo de 2021, as taxas de expansão foram ainda de 2,7% no primeiro trimestre, 3,3% no segundo trimestre e de 2,9% no terceiro trimestre, além do 0,8% no quarto trimestre. Na comparação com o primeiro trimestre de 2021, o crescimento dos serviços foi de 9,4% no período de janeiro a março de 2022.

VALOR ECONÔMICO


POWERED BY

EDITORA ECOCIDADE LTDA

041 3289 7122

imprensa@sindicarne.com.br


1 visualização0 comentário